Cart 0

COMO TUDO COMEÇOU

Criados em 1949 por Álvaro Justino Matias, os rebuçados peitorais Dr. Bayard inspiram-se numa fórmula terapêutica francesa e são, até hoje, sinónimo de tradição e qualidade, mantendo a receita original que perpetua a memória de geração em geração.

Álvaro Matias, natural de Almeida (distrito da Guarda) nasceu em 1914 mas, com apenas 16 anos,  deixou a sua terra natal, rumando a Lisboa à procura de uma vida melhor. Na capital, durante cerca de uma década, passou por diversos trabalhos até encontrar um emprego estável de marçano e aprendiz de caixeiro-viajante, numa mercearia na Rua da Prata, na Baixa lisboeta. Pensava, na altura, emigrar para o Brasil e não sabia ainda que este trabalho lhe abriria as portas um encontro que transformaria a sua vida.

historia_fotos1

Foi nesta mercearia que, em 1939, no início da Segunda Guerra Mundial, Álvaro Matias atendeu um médico francês exilado em Portugal, servindo-se dos seus conhecimentos rudimentares da língua francesa. A partir desse dia, Dr. Bayard passou a ser cliente assíduo e, com o passar do tempo, tornar-se-ia amigo e próximo de Álvaro. Nas horas vagas, o marçano servia de guia turístico ao francês, à sua esposa e filha, mostrando-lhes as maravilhas da cidade de Lisboa. Em troca, o médico dava-lhe aulas de francês.

Ao longo dos cinco anos que passou em Lisboa, porém, a situação económica do Dr. Bayard foi-se agravando e Álvaro Matias passou a ajudá-lo com os produtos essenciais – pão, manteiga, arroz – que escasseavam devido à guerra, e até com parte do seu rendimento. Quando o conflito terminou, o médico francês e a sua família regressaram a França, mas não sem antes agradecerem ao seu amigo português com o bem mais valioso que possuíam: a receita dos “rebuçados peitorais Dr. Bayard”, guardada dentro de umas latas pequenas e redondas, com o desenho de uma cara a tossir.

Em 1949, depois de recorrer à ajuda de um fabricante profissional, começou o fabrico caseiro dos peitorais, com a ajuda da mulher e de uma irmã. O êxito dos rebuçados com a assinatura e desenhos originais Dr. Bayard foi quase imediato e rapidamente a produção ultrapassou os seis quilos diários. A procura dos rebuçados para a tosse e irritação da garganta foi crescendo e, com o sucesso, a receita foi aperfeiçoada, as quantidades ajustadas e o negócio foi prosperando.

1914 – Nascimento de Álvaro Justino Matias em Vale da Mula, aldeia do concelho de Almeida, distrito da Guarda.

 

1930 – Com apenas 16 anos, Álvaro Matias deixa a sua terra natal e parte em direção a Lisboa, à procura de oportunidades que lhe permitissem ter uma vida melhor.

 

1939 – Enquanto trabalha como marçano numa mercearia da Rua da Prata, na Baixa de Lisboa, conhece Dr. Bayard, médico francês exilado em Portugal devido à Segunda Guerra Mundial. O marçano e o médico tornam-se próximos. Álvaro Matias serve de guia turístico da família Bayard e, em troca, o médico dá-lhe aulas de francês. Durante a estadia de Dr. Bayard em Portugal, Álvaro Matias chega mesmo a ajudá-lo a obter os bens essenciais, como pão, manteiga, arroz.

 

1944 – No final da Segunda Guerra Mundial, Dr. Bayard e a sua família regressam a França. Como agradecimento, deixam a Álvaro Matias uma lata de metal com uma receita de uns rebuçados medicinais lá dentro, que tinham grande sucesso no seu país para curar a tosse e irritações de garganta.

 

1949 – Álvaro Matias começa a produzir estes rebuçados peitorais em casa, com a ajuda da família. Nas embalagens, a assinatura de Dr. Bayard e o desenho de uma pessoa a tossir são fiéis aos papéis deixados pelo médico francês.

 

1969 – Vinte anos depois das primeiras produções caseiras, Álvaro Matias compra as primeiras máquinas industriais e estabelece a Fábrica de Rebuçados Dr. Bayard, numa pequena rua da Amadora.

 

2007 – Os filhos de Álvaro Matias herdam a posição dos pais, com José António Matias a assumir a administração da Dr. Bayard, com a colaboração dos filhos e sobrinha, mantendo a tradição familiar fazendo assim perdurar o negócio, como os rebuçados, “de geração em geração”.

 

2016 – Dr. Bayard lança loja online com entregas a nivel mundial.

historia_pacotes_vintage

Em 1969, Álvaro Matias comprou a primeira máquina industrial e instalou-a na fábrica de rebuçados Dr. Bayard, que até hoje continua no mesmo lugar. Situada numa pequena rua da Amadora, a fábrica de rebuçados Dr. Bayard, mantêm-se uma empresa familiar e a produção dos rebuçados peitorais é continuada pelo filho do fundador, José António Matias, e pelos seus netos.

A fórmula dos rebuçados peitorais Dr. Bayard mantém-se inalterada desde as primeiras produções e a receita entregue por Dr. Bayard a Álvaro Matias permanece, até à data, guardada a sete chaves, dentro da lata de metal que encerra a memória de um produto com qualidades terapêuticas conhecido e reconhecido pela sua qualidade.

O segredo dos rebuçados Dr. Bayard reside na mistura dos ingredientes e suas qualidades terapêuticas, e na afinação das máquinas, que definem determinadas temperaturas e tempos de secagem.

historia_fotos3
historia_fotos2

Situada, ainda hoje, numa pequena rua da Amadora, a fábrica do Dr. Bayard e a produção dos rebuçados peitorais, são continuadas pelo filho do fundador, José António, e pelos netos André, Daniel e Susana.

historia_fotos6

Dr. Bayard, a tradição que se renova geração após geração.